terça-feira, 10 de março de 2015

O LOUCO(extraído da página do amigo Alvaro Giesta do Facebook)com a devida autorização

*
Habita em mim uma sã loucura
de não pensar!
As vozes loucas que brotam...
em mim
atordoam-me de lucidez
*
Nenhuma boca se abre
para me dizer da (sã) loucura
que sinto em mim
por ser assim:
- louco e surdo
aos estereótipos insuportáveis
do mundo,
daqueles que não passam por loucos
mas são mais loucos do que eu
*
Nenhuns ouvidos sãos
sem a loucura de não pensar
me escutam,
porque esses ouvidos moucos à lucidez
são mais insensatos
do que a minha sã loucura
de não pensar
___________
Alvaro Giesta (muralha inquieta)
foto: José Marafona

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

SOBERBO, ESTE POEMA!

Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Tais Luso disse...

Gosto de poemas assim, tão humanos, tão indagativos e surpreendentes. Ora loucos, ora sem a mínima noção de quanto são loucos! A vida é essa, também.
Beijos!