sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A estreia em Portugal do espectáculo do último álbum de António Zambujo, Até Pensei Que Fosse Minha, vai ter uma terceira data na Gulbenkian Música.
Assim, para além dos concertos dos dias 1 e 2 de Março, totalmente esgotados, será realizado um terceiro concerto no dia 3 de Março para apresentar ao vivo este álbum, inteiramente composto por temas de Chico Buarque e que em Portugal já atingiu a marca de Platina.
Lançado em Outubro de 2016, o disco apresenta vários clássicos do compositor brasileiro, contando com a participação de Carminho, Roberta Sá e o Trio Madeira Brasil, entre muitos outros músicos de renome. "Valsinha", que Zambujo já tinha por hábito interpretar nos seus concertos, é um dos temas incluídos em Até Pensei Que Fosse Minha.
Depois de, em 2012, ter estreado na Gulbenkian Música o repertório do seu álbum Quinto, António Zambujo está agora de regresso para revelar este disco especial na sua carreira. É já antiga a ligação de Zambujo à música brasileira, apresentando com frequência ao Brasil o seu fado muito particular, com um travo a samba e bossa nova. O mundo, aliás, despertaria em definitivo para o músico português depois de Caetano Veloso escrever que "é um jovem cantor de fado (…) que faz pensar em João Gilberto" e "é de arrepiar e fazer chorar".
Os bilhetes para este concerto podem ser adquiridos na bilheteira da Fundação Calouste Gulbenkian ou em gulbenkian.pt/musica
 

sábado, 7 de janeiro de 2017



Urna com Mário Soares à chegada à Câmara Municipal de Lisboa,
hoje 09/01/2017, e depois seguiu para o Mosteiro dos Jerónimos
onde estará em câmara ardente até amanhã.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Simone de Oliveira

Penso nunca o ter dito aqui no blogue mas desde a m/juventude
que adorava ouvir Simone de Oliveira e tive a sorte de ter
contado com a sua amizade e autorização para que criasse
o seu Clube de Fãs. Havia alguns nessa data 1967, por aí,
mas eu que sempre fui mtº. legalista quis a oficialização do
mesmo, mas o regime de então não o permitiu.Tínhamos
que criar algo relacionado com beneficência, então a
legalização conseguiu-se com a criação do Clube de
Beneficência de Simone de Oliveira que durou alguns anos.
Tenho seguido sempre aquilo em que Simone entra e estive
na festa de homenagem dos seus 50 anos de carreira no
Teatro São Luís o ano passado.
É com alegria que tive conhecimento que a Revista Cristina
deste mês contém uma entrevista com Simone e na mesma
há fotos, que considero mesmo mtº. boas.A Revista já está
à venda.
Foi divulgada a próxima capa da revista Cristina com Simone de Oliveira num frente a frente com Cristina Ferreira





Separam-nos 40 anos. E pouco mais. Simone tem génio, porte, grandeza. Vive sozinha. Sem sexo. Depois do Varela não podia haver ninguém. Uma conversa de mulheres, escreveu a apresentadora no seu blogue Daily Cristina.



 

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Nada está nunca garantido.Temos que saber dar e receber

Sónia Novais viajou de Silvalde, Espinho, até Avanca, para entregar bens alimentares a Lucinda e Paulo.
Ela, que é filha de uma das centenas de pessoas a quem o casal deu água, a 7 de agosto, na A1. Agora, tal como a mãe de Sónia, muitos desses homens e mulheres estão a entrar em contacto com Lucinda e Paulo, para saberem de que forma os podem ajudar.
"O gesto que eles tiveram marcou a minha mãe e quando soubemos a situação pela qual estão a passar, quisemos ajudar. Não é qualquer pessoa que faz o que eles fizeram. Pouca gente teria um ato daqueles", sublinhou Sónia, referindo-se às muitas centenas de litros de água que o casal comprou, com dinheiro do próprio bolso, para distribuir por quem estava há mais de cinco horas ao sol, quando os termómetros marcavam 40 graus.
"Hoje trouxemos uma pequena ajuda, mas queria que me dissesse, quando souber, que medicação tem de tomar, que eu pago", pediu Sónia a Lucinda, que não continha as lágrimas.

Nalgumas situações Portugal deu lições ao mundo

Romancista francês publicou em 1867 carta no DN a saudar pioneirismo do país. A 1 de julho no CCB uma conferência celebra data.
"Está pois a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história." Começa assim a mensagem de Victor Hugo publicada no DN e endereçada a Eduardo Coelho, o fundador do jornal. A carta está datada de "Hauteville-House, 2 de julho de 1867", dia seguinte ao da abolição da pena capital, e saiu no DN a 10. Ora, em 2017 celebram-se os 150 anos desta lei, aprovada no reinado de D. Luís e pioneira na Europa. Uma grande conferência em Lisboa, no CCB, evocará a efeméride a 1 de julho.
"Vivemos tempos "estranhos" em que a ímpar capacidade crítica dos humanos, com os assinaláveis e virtuosos progressos da ciência e da vida das sociedades, se vê agora confrontada com novas e sofisticadas formas de barbárie, e de manifesto desprezo do homem pelo seu semelhante. Um paradoxo inquietante, perigoso, com extremos que se replicam à escala global, imprevisíveis, e com protagonismos que eram inimagináveis num passado recente, pós-Holocausto, pós-colonial, e pós-apartheid. Por outro lado, a atualidade do tema direitos humanos é permanente por natureza e pela força do ideal - "os homens nascem e são livres e iguais em direitos"", sublinha Elísio Summavielle, presidente do CCB, questionado sobre a motivação para a celebração, que contará com uma palestra de Robert Badinter, ministro da Justiça francês responsável pela abolição da pena de morte na pátria de Victor Hugo.
Afirma Luís Espinha da Silveira, professor na Universidade Nova de Lisboa, que "não se conhece posição de D. Luís sobre a abolição da pena de morte, mas é minha convicção de que a apoiou" . O historiador, biógrafo do monarca, descreve D. Luís como "um homem de educação liberal, capaz de se identificar com o espírito da lei", mas nota que esta foi produto do ministro Barjona de Freitas, professor de Direito de Coimbra, que com 33 anos iniciava a primeira de quatro passagens pela pasta da Justiça. Espinha da Silveira relembra que era época de escassa conflitualidade política, com Joaquim António de Aguiar a chefiar o chamado "governo da fusão". E que a ideia de regenerar os criminosos vinha ganhando terreno desde finais do século XVIII por toda a Europa. "Os portugueses, pelo menos a elite, já não se reviam na aplicação da pena de morte", esclarece.
O pioneirismo de Portugal é difícil de explicar. A Venezuela aboliu a pena de morte em 1864 mas na Europa só o Grão-Ducado da Toscana (desaparecido) e São Marino (microestado) se anteciparam à nossa lei de 1867, o que confere a Portugal estatuto especial. Como salientava a tal carta de Victor Hugo, "Portugal dá o exemplo à Europa". Espinha da Silveira nota que, em termos de leis, Portugal tem muitas situações em que foi precursor, mas que o difícil é aplicá-las e dá o exemplo do ensino primário obrigatório legislado logo em 1844 mas que demorou décadas. Contudo, no caso da pena de morte, de facto, não houve mais execuções.
Hoje a Europa destaca-se pelas nações abolicionistas, mas o Reino Unido só acabou com a pena de morte em 1973 e a França em 1981. Segundo a Amnistia Internacional, são 140 os países que aboliram a pena capital, entre os mais recentes dos quais Fiji e Madagáscar. Em sentido contrário, em 2015 o Paquistão voltou a fazer execuções, como resposta ao terrorismo, e a Turquia pondera seguir o mesmo caminho, depois do golpe de julho de 2016.
fonte:www.jn.pt