sexta-feira, 15 de abril de 2016

DISSERTAÇÃO - de Elvira Fernandes

Quando a uma mulher
falta o horizonte
é como se deixasse de correr
a água de uma fonte.

De que serve ler Platão
libertar-se em suave Tai-chi
meter no fogo a mão
ouvir Graça, Mozart ou Verdi

Se no silêncio estranho e estrondoso
da sensação de algo que lhe escapa
num vazio enorme e aparatoso
como queda de alta escarpa, 

Não alcança, o discernimento
com severa perseverança
e menos, em plácido pensamento
sentir o sabor da esperança.

Filosofia, música e poesia
num turbilhão de sentimentos
provam que a vida todavia
não é apenas de lamentos.

Porque tudo é feito de mudança
a vida não fica por um fio
todos os dias nasce uma criança
e outra água corre no mesmo rio
havendo sempre uma ponte
quando a uma mulher
falta o horizonte.


.

6 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Gostei. Elvira Fernandes? Tenho que pesquisar.
Um abraço e bom fim de semana

Luis Coelho disse...

Um belo poema.
Quando uma mulher falta
Não é uma falta qualquer
É a falta do carinho que se quer
É a ausência da presença da mulher

Beijos nossos - Bom fim de semana.

Cidália Ferreira disse...

Bom dia Amiga

Maravilhoso poema. Boa escolha, a sua!

Beijo e um excelente fim de semana.

Coisas de Uma Vida 172

Mari-Pi-R disse...

La vida no se detiene nunca ella continua en las sorpresas de cada momento.
Feliz fin de semana.

Elisabete disse...

Um belo poema que valoriza o papel da mulher.
Bom domingo, Irene-

Duarte disse...

Belo, com sentimentos à flor da pele que emocionam.
Abraços de vida, querida amiga