domingo, 7 de fevereiro de 2016

OUTROS TEMPLOS - Célia Laborne Tavares


 
As estepes são o meu caminho
e os dias da memória
são o sem-fim
onde se derrama a derradeira angústia.
 
Deixarei as neves persistentes
pela tepidez uniforme das fogueiras
onde o mundo se aquece docemente.
 
Formarei na Terra sem fronteira
os marcos estáveis de outros tempos
e em todos os bosques
comprarei a Paz.

6 comentários:

Magia da Inês disse...


Muito lindo!

Bom fim de semana!
Beijinhos.
❤ه° ·.

Cidália Ferreira disse...

Adorei!

Um Feliz Carnaval, beijos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Emília Pinto disse...

Comprarei também a paz, amiga, quer esteja junto da lareira nestas noites de Inverno, quer esteja saboreando o calor do dia protegida pela sombra daquela frondosa arvore de jardim. Neste mundo insensato, neste caos em que se tornaram as sociedades actuais, o que mais queremos é serenidade na alma e paz à nossa volta. Irene, obrigada pelo belo momento de poesia e uma boa semana. Um beijinho
Emilia

Julia L. Pomposo disse...

Si se pudiera comprar la paz, no me importaría endeudarme por conseguirla.
Abrazos

Graça Pires disse...

"Formarei na Terra sem fronteira
os marcos estáveis de outros tempos
e em todos os bosques
comprarei a Paz."
Assim seja!
Beijo.

Claudio Gontijo disse...

Celia Laborne, jornalista, escritora, poetisa, pintora, escreveu, entre outras atividades, em uma coluna no Jornal Estado de Minas/Belo Horizonte-MG, com o nome de Vida Integral.

Belo Poema.

Cláudio / www.verevida.blogspot.com.br