sábado, 22 de agosto de 2015

A vida é a chegada, o intervalo e a partida...




O mês de Agosto deixou-me até ao dia de hoje com algumas partidas...
físicas, que não a nível do sentir ou do pensamento...

Garanto-vos que é possível ser muita amiga há distancia de muitos
kilómetros, e durante muitos e muitos anos.

Há quase 50 anos(sim cinquenta, não é engano) que mantenho laços
de muita amizade com uma amiga, sempre vivendo muito longe uma
da outra. Utilizámos as várias formas de contacto: carta, telefone,
telemóvel, computador...

Contámos as nossas alegrias e as nossas tristezas, ao longo de todas
estas dezenas de anos.

Cada uma de nós teve o seu casamento, e ambas não tivemos filhos...
até nisto houve sintonia...sem que voluntariamente tivéssemos contribuído...

Portanto a compartilhar desta nossa amizade, que começou quando ambas
éramos solteiras, veio juntar-se mais duas pessoas: os nossos maridos.

Mais uma vez compartilhávamos os problemas de saúde que o avançar da
nossa idade nos ia trazendo, a qualquer um dos quatro. Era o grupo.

Às vezes pensávamos quando o grupo iria ser partido, para logo de seguida
esquecer esse pensamento: só de pensar doía.

Hoje o grupo é só de três elementos, porque infelizmente o marido da
minha amiga partiu na passada segunda-feira, dia 17, após a tal doença
-cancro- e que até foi bastante galopante.

Agora a minha amiga ficou fisicamente mais sozinha. Continuamos a ter
muitos kilómetros a separar-nos,(e como isso se tornou ainda mais difícil),
todavia havemos de encontrar forças e vontade para nos continuarmos
a apoiar, pois estamos ainda no intervalo “da nossa partida” e a nossa
amizade é ainda mais necessária

Irene Alves

9 comentários:

✿ chica disse...

Essas perdas são dolorosas e agora tua amiga precisa mais ainda da presença de vocês! beijos e fiquem bem! chica

Elvira Carvalho disse...

Deixo um abraço para as duas.

Mari-Pi-R disse...

Mis pensamientos en ti.
Perder a una buen amigo es duro y más después de tantos años de amistad, tan solo decirte que sigas pensando en él y que le recuerdes.
Un abrazo.

Maria Fonseca disse...

Sinto muito, querida Amiga
Há medida que o tempo passa nos sentimos cada vez mais confrontados com a morte.
Desejo que consiga acompanhar a sua Amiga de tantos anos a suportar a perda que sofreu, apesar de ser difícil não por estar afastada mas porque o desgosto é enorme.
Um abraço grande,
Maria

Maria Rodrigues disse...

Irene para uma amizade tão sincera e verdadeira como a vossa não existem distâncias, e hoje, a sua amiga necessita certamente da sua palavra amiga, do seu conforto, do carinho da sua amizade, e tudo isso pode ser demonstrado sem se estar fisicamente perto.
Os meus sentidos pêsames para todos, mas particularmente para a sua amiga.
Beijinhos
Maria

A Casa Madeira disse...

Puxa Irene; apesar de uma fala triste; achei lindo a amizade
e o tempo longe mas ao mesmo tempo perto.
Veio bem a calhar essas suas palavras; acho que a verdadeira amizade
nunca morre e só se fortalece. Que pena que nem todos pensam assim...
Nessas horas a dor da perda; só a bondade divina para nos dar o alívio
que precisamos.
Obrigada pela visita... e volte sempre quando quiser.
Abraços
Janicce.

Mary Brown disse...

Irene estou bem. Ainda não posso dispor do meu tempo como me apetece. Continuo a ter que cumprir um horário laboral e claro isso limita-me bastante. O tempo livre é escasso e como o cansaço é muito aproveito para dormir e descansar. Não me esqueço de quem conheci aqui e com quem aprendi bastante mas infelizmente tive e tenho que fazer opções já que a saúde se recente bastante quando não descansamos o suficiente. Infelizmente as diferenças neste país aumentaram e há pessoas que têm que trabalhar 8 horas, trabalhavanm apenas 7 horas há 3 ou 4 anos atrás, enquanto outras voltaram às 7 horas. Mais uma hora por dia fez toda a diferença no meu caso e presentemente sinto-me incapaz, ao fim do dia, para navegar na net.
A amizade e o amor são laços que a distância não corrompe. Um beijinho cheio de saudades e votos para que consigamos ter a vidinha que desejamos, cheia de magia.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Amizades com raízes e razões.
Agora deverão reforçar esses laços. Não é fácil comentar estas perdas e estes acontecimentos.
As verdadeiras amizades reforçam-se,nunca se desvanecem.

Tais Luso disse...

Muito triste, Irene, mas vejo a sólida, a necessária amizade que restou e que precisa de alimento para dar a continuidade. Amizade bonita, duradoura. Que essa dure bastante, que dê a vocês 3 o suporte necessário para se reunirem novamente.
Beijo grande, amiga!